quarta-feira, 7 de junho de 2017

Pense num absurdo, em Maragojipe tem precedentes, perseguição no serviço publico, coordenador é retirado do cargo



Edmilson Conceição Quirino é servidor publico e trabalha na secretaria municipal de saúde de Maragojipe, ele era coordenador do (NEPS)  Núcleo de Educação Permanente em Saúde, e só porque fez uma nota de esclarecimento que na verdade  alertava os maragojipanos sobre um possível surto epidêmico na cidade, isso foi o suficiente para a gestão retirar Edmilson do cargo de Coordenador do NEPS perdendo R$ 180.00, e o mais agravante é que seus superiores reconhecem seu profissionalismo, afirmando seu conhecimento técnico de campo sobre o assunto, quando se trata de doenças endêmicas mas,  ele estava saindo do cargo só porque soltou a nota.


O povo maragojipano não pode ser penalizado por vaidades, afastar um grande profissional só porque o mesmo, chamou atenção dos seus conterrâneos sobre o perigo de doenças que podem causar uma possível epidemia com a mudança da metodologia de campo, afinal ele e seus colegas que estão diariamente  no campo conhece e entende a melhor forma a ser desenvolvida para diminuir os índice de infestação predial.

Agora um profissional que só quis ajudar sua cidade, porque a modalidade de trabalho  que ele defende já é usado em quase 70% dos municípios da Bahia, inclusive em salvador, pois é, coisas da politica maragojipana, e por ironia do destino Edmilson do camarão, como é conhecido na feira aos sábados, que para aumentar um pouco sua renda vende esse defumado, nas ultimas eleições apoiou a atual gestão e defendeu muito a prefeita, como ele mesmo relata abaixo em sua declaração, mas mesmo assim, a gestão foi implacável, não levando em conta, nem o apoio politico, nem seu profissionalismo.   

                                 Edmilson Conceição Quirino teve seu cargo retirado


Revivendo a frase "Quem viver verá" dos antagonísticos, hoje vejo o que antes não queria ver. Agora entendo o porque da falta de apoio quando candidato a vereador, dos atrasos dos santinhos, da falta de convite para fazer parte das comitivas, do desapoio em todos os sentidos e principalmente das falsas promessas. Herdando os princípios éticos do meu falecido pai acostumei a falar sempre a verdade doa a quem doer e não seria os insignificantes 180 reais que ganhava para coordenar um programa tão importante que é o N.E.P.S. que me faria mentir ou calar. Postei sobre a falta de postura, praticidade ou da infantilidade do governo em mudar o turnão que estava dando certo, falei do bloqueio da gestão (Secretária e Prefeita) quando telefonava ou no face falava sobre assuntos que envolvia o educativo ou a nós mesmo, fui para gestão um Ombudsman (substantivo de dois gêneros
  1. 1.
    pessoa encarregada pelo Estado de defender os direitos dos cidadãos, recebendo e investigando queixas e denúncias de abuso de poder ou de mau serviço por parte de funcionários ou instituições públicas.
  2. 2.
    p.ext. em empresas públicas ou privadas, indivíduo encarregado do estabelecimento de um canal de comunicação entre consumidores, empregados e diretores).

Fui também um advogado das causas que eu achava justa. Falei e continuarei falando que poderemos contemplar um surto epidêmico com este tipo de atitude apática e infantil, não foi um simples questionamento é um fato é uma realidade tão certa que me tiraram da coordenação do educativo porque sabem que a qualquer momento pode acontecer e apesar de ser lucrativo não será benéfico para a população, o povo não precisa de recursos do governo federal para a cura precisamos prevenir para que não haja conclusão dos fatos.
Se acharam que me tirando da coordenação eu me calaria, estão enganado, agora estou livre para falar e brigar se for o caso, falta pouco para me aposentar e nada me fará recuar principalmente quando acredito que a briga valha a pena.

Edmilson Conceição Quirino 

"Se você ainda não achou uma causa pela qual valha a pena morrer, você ainda não achou razão de viver". Martin Luther King.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nunca escreva para os outros, o que você não gostaria de ler