quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Deputados me pediam favores junto ao Tribunal de Contas, diz Nilo


Após ser alvo de operação da Polícia Federal, sob suspeita de crime eleitoral, o deputado estadual Marcelo Nilo (PSL) disse que colegas de Casa lhe pediam favores junto ao Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE-BA) quando ele era presidente da Alba. Ele não detalhou que favores eram esses. e disse que também recebia ligações de 28 desembargadores após a operação da PF.
Em entrevista à rádio Metrópole na manhã desta quinta-feira (21), Nilo também disse que a operação da PF em sua casa foi “pior que a morte”. Ele passou a conversa, que durou quase uma hora, defendendo-se e relembrando a disputa para o comando do Legislativo baiano. Segundo ele, seu interesse em presidir novamente a Casa era ganhar musculatura para pleitear uma vaga na majoritária. 
Nilo foi alvo da Operação Opinião que teve o objetivo de cumprir sete mandados de busca e apreensão em endereços de Salvador, dentre os quais na residência do deputado e no seu gabinete na Assembleia Legislativa, no CAB. Os mandados foram expedidos pelo Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE/BA), com base em representação formulada pela Procuradoria Regional Eleitoral na Bahia (PRE/BA), em procedimento que investiga o crime de falsidade eleitoral, previsto no artigo 350 do Código Eleitoral, envolvendo também a empresa Bahia Pesquisa e Estatística Ltda – Babesp, também conhecido como DataNilo.
Fonte: Bocão News

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nunca escreva para os outros, o que você não gostaria de ler