quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Maragojipe: Optometrista é conduzido até a delegacia da cidade

Resultado de imagem para optometria
A redação do site Recôncavo Agora, entrou em contato com o vereador Tinho Muniz o ''vereador nos informou que o optometrista estava regular para atender e só não tinha o alvará de funcionamento, porém ele tem autorização para atender em qualquer lugar, disse o vereador Tinho Muniz...
Resultado de imagem para optometria
Informou também que o optometrista não foi preso porque estava de posse do certificado do conselho de optometria e não estava atendendo como médico oftalmologista, o erro foi uma mídia que estava circulando no carro de som informando que era um oftalmologista e informou que o mesmo profissional já realizava atendimento para a prefeitura, concluiu o vereador.
Entramos em contato com o vereador Renato Santana (Renatinho de Coqueiros) onde foi citado e até o final desta matéria não obtivemos resposta.
Os equipamentos foram levados para a sede da vigiância sanitária até que o optometrista apresente as notas ficais e serão liberados.

Segue uma nota que circulou nas redes sociais no ultimo  domingo:
Vereador engana população com atendimento médico fraudulento e clandestino em Maragojipe
Nesta sexta-feira (8), a Vigilância Sanitária Municipal (VISA), atendendo a uma solicitação do Conselho de Medina, foi ao distrito de São Roque do Paraguaçu, município de Maragojipe, para realizar uma inspeção no local onde um suposto médico oftalmologista estava realizando atendimento em ambiente inapropriado.

O atendimento estava acontecendo no primeiro andar de um prédio onde já funcionou uma pousada. A propriedade pertence a Antônio Muniz, popularmente conhecido como Tinho de São Roque, vereador pelo PSL. No andar térreo funciona um mercadinho que também é de propriedade do parlamentar.
De acordo com a equipe técnica da Vigilância, quando chegaram ao local havia cerca de 20 pessoas aguardando pelo atendimento. Ao serem indagados pela equipe, os pacientes disseram que estavam aguardando para serem atendidos pelo oftalmologista.


Após a averiguação, a Vigilância descobriu que o suposto médico era na verdade apenas técnico optometrista e que os pacientes estavam sendo vítimas de fraude.
De acordo com Vigilância Sanitária, o local corria alto risco. A vistoria realizada no prédio identificou diversas irregularidades, como ausência de alvará sanitário e de funcionamento, fiação elétrica exposta com um único ponto de tomada para todos os equipamentos gerando risco de curto circuito, condições de higiene precárias, caixas de papelão servindo de suporte para os equipamentos, falta de certificação das máquinas de aferimento para funcionamento legal, entre diversas outras anormalidades.


A VISA suspendeu o atendimento devido a identificação das irregularidades e apreendeu os equipamentos. O técnico optometrista Flávio Oliveira de Carvalho foi encaminhado pela Polícia Militar para a Delegacia para prestar esclarecimentos e afirmou que veio a pedido do vereador Tinho de São de Roque e que não autorizou a divulgação em carro de som nem em redes sociais e que atende em outras cidades com alvará e infraestrutura apropriada. Em suas redes sociais, o vereador Tinho ainda cita que existe a parceria com deputados, mas não se sabe ainda quem são esses parlamentares. O vereador Tinho de São Roque não foi autuado porque havia deixado o local pouco antes da equipe da VISA chegar.
Segundo a população, foi o vereador quem colocou a divulgação em carro de som, anunciando consulta com oftalmologista, e ainda chamava o técnico optometrista de doutor, induzindo os usuários a erro.
Na fotos feitas pela Vigilância Sanitária, dá para perceber que na mesa só há um espelho e nada mais era feito, além da venda dos óculos.
O suposto médico vinha atuando clandestinamente em diversas comunidades do município. No distrito de Coqueiros, realizou atendimento a convite do vereador Renatinho (PSC), sem o alvará da Vigilância Sanitária. 
Segundo informações, os vereadores Tinho de São Roque e Renatinho de Coqueiros colaboravam com o local do atendimento e mais R$ 500 reais de combustível.
De acordo com uma das vítimas, o optometrista estava vendendo óculos a preços absurdos que chegam a até mil reais, e que os vereadores Tinho e Renatinho percebiam comissão da venda dos óculos.
Somente no distrito de São Roque, foi realizado uma média de 500 atendimentos.
A Procuradoria Jurídica do Município irá representar contra o vereador Tinho por crime de propaganda enganosa.

Riscos
A DNP (Distância Pupilar ou Distância Naso-Pupilar) mede o reflexo corneano, ou seja, o eixo visual do olho. É através desta medida que as lentes corretivas são centralizadas adequadamente nas armações.
A medição inadequada da DNP pode provocar sérios problemas de adaptação às lentes corretivas, principalmente em altos graus, lentes progressivas e adaptações especiais.
Quando há altas dioptrias envolvidas, o erro de centralização provoca efeitos prismáticos, que dificultam a adaptação às lentes. Nas crianças, estes efeitos podem prejudicar o desenvolvimento da visão.
Já em lentes multifocais, errar a DNP pode provocar problemas posturais no usuário, que precisará virar o rosto constantemente para conseguir enxergar com nitidez.
De acordo com as vítimas, o técnico não media a DNP e os óculos estavam sendo vendidos já prontos para uso, o que agrava ainda mais a situação.
A atuação da Vigilância Sanitária objetiva resguardar a saúde da população de Maragojipe, uma vez que o cuidado da saúde ocular é privativo de médico oftalmologista. A profissão de optometrista ainda não é regulamentada e se resume à prescrição de óculos, não havendo o cuidado com outras complicações que possam acometer a visão dos pacientes.

 Fonte: Recôncavo Agora

Um comentário:

Nunca escreva para os outros, o que você não gostaria de ler